22 março, 2010

hoje dei por mim na tua cama. só deus sabe ao tempo que não me deitava nua nesses lençóis de flanela manchados com os orgasmos das tuas amantes. mas a carne humana é fraca e o institinto é estéril de auto-estima, portanto aqui estou eu, subjogada a este jogo ordinário de prazer e romance. é acutilante a intensidade com que me penetras, com que te apoderas do meu corpo, qual mero pertence teu. 
um dia, em lugar de arfar, mordo-te o pescoço.

13 comentários:

Qel disse...

adoro a força das tuas palavras, a violência nela descritas. tudo o que escreves tem uma qualquer conotação carnal que sacia qualquer um! adoro. *

Zaire disse...

espectacular, deixaste-me sem palavras

tatiana disse...

é pela crueza da realidade que transpareces que continuo a ler o que escreves.
fantástico.

tatiana disse...

é pela crueza da realidade que transpareces que continuo a ler o que escreves.
fantástico.

Psycoo disse...

espectacular! a força e bruscalidade nas tuas palavras são feitas de uma maneira impressionante!
adoro

Paula disse...

Impressionante. Consegues colocar sentimentos em palavras sem sequer os mencionares. Mais que qualquer coisa consegues sempre dar ao texto força e sobretudo o peso da realidade. (:

Gislãne disse...

Esse texto é intenso!!!!!!
:)

Gustavo Reis disse...

Confesso que tbm adoro o que escreve, tanto que seu blog é um dos meus favoritos rsrssrsrs

Carolina Duarte disse...

adoro, mais uma vez perfeito. consegues fazer transmitir as sensações de uma forma unica.

L. disse...

gosto de tuas palavras...

ashley. disse...

violência e tanta força nas tuas palavras. adorei!

tatiana disse...

escreves estupidamente bem, chega doer!

Sylvia Araujo disse...

Incrível! Intensamente incrível!

beijomeu