26 abril, 2011

devolvam-mo!
tragam-me de volta os lábios grossos que me tingiam as roupas e soprem de novo o hálito a cereja que penetrava a minha garganta. oh! são mil as quimeras que assaltam o meu corpo, qual mero parasita da sua epiderme. e do dorso dela, do pescoço dela, da voz dela, dos cabelos encaracolados tão dela emana toda uma sensualidade doentia que me torna uma mera vagabunda prostrada a seus pés! devolvam-me as mil harpas que ecoavam nas ruas desta cidade sempre que nela os meus sentidos pousavam. façam-me encarnar nos seus peitos arrepiados e perder-me nos seus caracóis ruivos. despejem nos desafortunados todo o seu encanto e nos mal-amados toda a sua graça. cantem mil sonetos a tamanho espasmo erótico e escrevam mil e um poemas em seu nome. mas devolvam-ma! ela é a minha efemeridade crónica! o meu ópio e o meu extâse e o meu nirvana. ela é a criatura mais bela que algum dia foi parida neste mundo!
e eu mais não sei se não desejá-la ardentemente quando os meus dedos tocam o meu sexo no segredo dos lençóis lavados.

5 comentários:

JL disse...

já tinha saudades de te ler CB :)

sandra disse...

Primeira vez que posto alguma coisa aqui. Devia ter feito antes reconheço, até porque quase todos dias eu venho espiar. Adoro a intensidade com que dizem as coisas, como se ousassem chamá-las pelos nomes, amo a poesia quase erótica.. sei lá...adoro a maneira que escrevem.

marianaverga disse...

adoro a maneira como escreves, capta e no entanto é suave, é poesia em prosa. adoro mesmo*

Gustavo Reis disse...

Adoro suas declarações cheia de erotismo, CB
um abraço

Catarina disse...

É realmente muito intensa a maneira como quase tudo é escrito aqui.
Como amante da leitura, a intensidade é sempre bem-vinda, e carregada de erotismo, muitas vezes revolta e descrições ousadas, não consigo deixar de admirar duas coisas:
1º A maneira como escreves
2º O quão bem consegues exprimir tudo o que sentes em relação a quem ou que escreves...
Continuem.
Catarina