05 setembro, 2008

?

quem és tu por detrás do teu fantasma?
tu! oh vertigem abominável de prazer masoquista, quem és tu para além de um pronome pessoal que me faz renegar qualquer outro?
onde te meteste tu meu pedaço de sonho desfeito em mil porquês?
deixaste a tua marca a picotado entre as minhas coxas nuas e desapareceste entre os lençóis manchados de sangue e remorsos.
tu que me sussuravas ao ouvido gritos de artista.
tu que me penetraste a alma e o corpo e deixaste como que um rasto de loucura na minha insâne vontade.
tu que me impediste de voltar a abrir a chaga que por alguma razão se fechou.
tu que de entre tantas histórias de encantar lias-me aquela em que o vurmo da maldade impedia o feliz para sempre dos bons corações.
tu, eterno culpado do meu crime, quem és afinal?

1 comentário:

David disse...

tu és o simples mistério. O (simples) mistério.

adorei mesmo, companheira.