06 janeiro, 2009

de ti só sei uma coisa, tu gostas de mim. de grosso modo e sem hesitação afirmo que me amas. ignoro quem sejas, quem queres ser, no fundo és só mais uma alma dentro de um corpo demasiado pequeno para nela encaixar tal sentimento.
eu não te conheço, imaginei-te budista, sim, budista parece ser uma boa opção, és budista e procuras o poço sem fundo onde se encontram as respostas às perguntas que nunca fizeste. ontem disseste-me que eu era o teu nirvana - ri-me. ri-me não por seu a primeira vez que prentendias fazer subir o meu ego nem pelo modo desajeitado e ensaiado com que me deste um beijo na testa, ri-me porque tu és ridículo e porque o amor é ridículo.
sabes, a única coisa que eu quero é comer-te as mãos.

7 comentários:

Molly disse...

Nirvana *.*

O rídiculo faz-nos bem xD

Gostei.
Beijinho

MafaldaMacedo disse...

no mínimo, excelente.
uma escrita forte, alegorica, intima até certo ponto mas porém determinada.
Fiquei fã, parabéns.
Beijinha

Ana Moreira disse...

Como sempre, excelente!

Davi(d) disse...

fantástico companheira! cada vez mais.

disse...

Adorei!

Qel disse...

detesto dizer 'nada' mas deixaste-me literal/ sem palavras *.*

Annie disse...

Obrigado :$$

Gostei deste sim, poucas palavras mas interessante (...) :D

Beijinho *