28 junho, 2009

é este pungente ciúme carnal que me atormenta dias a fio. tu não sabes, não imaginas sequer o quão eu cobiço esses seios virgens espreitando entre as rendas da camisinha, essa boca inocentemente bela, tudo em ti me provoca soluços de inveja. e, em lugar de fazer prédicas à moralidade, sou atraída, como se de um bicho faminto me tratasse, ao odor dessa tua epiderme, deixando-me morrer por entre espasmos de insanidade. percorro-te, incessante, em busca da minha própria sobridade, mas eu não me encontro, eu não nos encontro jamais, meu amor de algibeira.

13 comentários:

Carolina disse...

adorei! escreves tão bem :)

Luisinha disse...

arreeeepia! lindo, :)

Nuno, apenas Nuno. disse...

Seios é feio. Prefiro mamas. x)

Nuno, apenas Nuno. disse...

Mamas é científico e para mim também é popular :p

Ana Moreira disse...

Sempre o meu grande ídolo! Invejo-te.

sofia disse...

que texto tão intenso, gostei tanto.
Beijinho*

-bê disse...

grande texto :o

U disse...

maravilha, mas vais encontrar. x)

Filipa disse...

WOW, está fantástico mais uma vez. ADOREI DAVID!

Anónimo disse...

gente burra, fogo -.-
hellooo... este blog nao é só do david...

Nameless trying to be someone. disse...

obrigada anónimo (:
gostaria que, se possível, se identificasse.
e não, não foi a autora do texto a responsável pelo comentário supramencionado.

sem mais nada a declarar,
rita.

Qel disse...

«(...) sou atraída, como se de um bicho faminto me tratasse, ao odor dessa tua epiderme, deixando-me morrer por entre espasmos de insanidade».

Linhas fortes, como sempre. Mesmo assim, supreendes-me cada vez mais. O sugar das tuas palavras tornou-se num vício, nameless.
Um beijinho *

Davi(d) disse...

sinceramente, admiro a forma como escreves rita, companheira.
é de uma força incrível, uma complexidade que me deixa de queixo caído.
admiro-te.