06 setembro, 2010

hoje entraste no quarto e não bateste à porta
foi a primeira vez que não bateste à porta
entraste e atiraste com a roupa para dentro do armário
foi a primeira vez que abriste o meu armário
deitaste-te nua a meu lado
fingi dormi
não tentaste acordar-me
as tuas pernas tocavam as minhas e embriagavam a minha líbido
a ponta dos teus seios desenhava mil encantos na pele das minhas costas e os teus lábios percorriam o meu pescoço sincronizados com a oração da tua respiração
hoje dei por mim a pedir a deus que não permitisse que me masturbasse
hoje foi a primeira vez que as tuas mãos o fizeram por mim

9 comentários:

JL disse...

amei, sabes que deliro c a linguagem

Mara disse...

Curto e intenso!
Dificil de atingir a junção mas tu conseguiste na perfeição.

Filipe Honório disse...

Speechless.

disse...

Ah! que texto mais expressivo e tocante *-* apaixonei-me por este blog.

Afonso Costa disse...

Continuas a mesma mestre das palavras. Muito sensual o texto desta vez :)

Jorge Pontes disse...

Carregado de sensualidade.
Fiquei sem palavras.
Outro grande texto.

Patricia disse...

Muita sensualidade,muito desejo.
Gostei mesmo.

marianaverga disse...

tens um jeito para as letras o:

André Mendes disse...

LINDO :)
Simplesmente gosto da maneira como escreves.