22 novembro, 2008

hoje foi horrível voltar à normalidade. deixar tudo impecável, como se nada tivesse acontecido aqui. limpar a roupa espalhada pelo chão e abafar o teu perfume tapando os lençóis com a colcha.
num momento de desvario, quando estavas de ventre para cima deitado na minha cama, pensei em arrancar-te o coração. deixei os pensamentos correr mais depressa que o sangue nas minhas veias e, quando dei por mim, estava deitada no teu peito a ouvir aquilo que queria arrancar.
no fim de tudo, só queria que sentisses a minha dor, a dor de nunca te conseguir amar em pleno.

2 comentários:

Davi(d) disse...

os teus textos estão cada vez mais fortes companheira!
D-I-V-I-N-A-L *-*

teresinha ferraz. disse...

está demasiado sentido para eu nao sentir cada palavra que disseste.
e eu amei, para não variar :D
beijinhooo