05 março, 2009

o teu naturalismo fascina-me. esse teu desejo intrínseco de chafurdar no mais podre, no mais sujo, de colocar luvas de borracha e espremer o que de mais reles e mais vergonhoso tem a condição do ser humano. sim, o mesmo ser humano que esconde a merda que de si próprio sái por detrás da eloquência ordinária de palavras plagiadas, o mesmo que faz da estética tão somente um escape à sua realidade. mas, afinal, o que escondeis quando vos fechais na casa de banho? porque construís este espaço tão acolhedor e simpático se, afinal, é ali que sentais a pele nua e assitis ao vosso momento de humilhação, no qual o excremento é sugado através de mil canos cuidadosamente escondidos?
enquanto não vos aceitardes e matardes a estética jamais sabereis quem sois.

12 comentários:

Ana Rita disse...

Bem, tu retrataste um simples momento de um di-a-dia supostamente normal, num texto absolutamente espectacular.

Tani disse...

Fuck, que texto cheio.

Davi(d) disse...

fiquei de boca aberta com este teu, companheira :O
ainda bem que gostaste do novo aspecto do nosso blog, tenho sempre o pensamento em ti quando acabo de lhe dar uma nova forma :)
beijinho <3

AnaLuísa disse...

omfg !

subscrevo completamente a ana rita. tu sem dúvida que dominas as palavras david.

gosto mesmo deste teu espacinho ^^ *

Pedro Antônio disse...

Perfeito, David! Perfeito!
Que texto sensível! Você conseguiu, com maestria, desnudar o ser humano! Você é um artista! Fique sabendo! Parabéns!

Eu perguntei se você era brasileiro porque escreve perfeitamente igual ao nosso português! Legal demais isso! Realmente falamos a mesma língua!

Os meus dois livros, "Metade é verdade, o resto é invenção" e "Uma história, uma lorota... e fiquei de boca torta!", são direcionados ao público infanto-juvenil e possuem textos um pouco diferentes daqueles que publico no meu blog. Mas eles são bem bacanas! O pessoal tem gostado bastante. Tomara que um dia você tenha a oportunidade de lê-los para me contar o que achou!

Um abração forte. Estarei sempre por aqui!

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com

Ivan Mota disse...

Está brutal maluco. Li-o três vezes para ter a certeza que tinha absorvido o teor na totalidade.

Em relação ao meu texto, é bem possível que tenhas razão. Mas as mulheres são de uma heterogeneidade incrível. Ora são incrivelmente atreitas a datas ora são o oposto. Não percebo .. é escusado.

Lyza. disse...

Diz-se que cada pessoa em si tem três kg's de merda, ou coisa assim.

fantástico, e eu a pensar que o David era o único que escrevia extremamente bem aqui.
está surreal, sou fã.

V disse...

sem medo de utilizar as palavras, está fantástico *

Aubergine. disse...

Depois de ler este fantástico texto só me lembrei de:

"Às vezes, em dias de luz perfeita e exata,
Em que as cousas têm toda a realidade que podem ter,
Pergunto a mim próprio devagar
Por que sequer atribuo eu
Beleza às cousas.

Uma flor acaso tem beleza?
Tem beleza acaso um fruto?
Não: têm cor e forma
E existência apenas.
A beleza é o nome de qualquer cousa que não existe
Que eu dou às cousas em troca do agrado que me dão.
Não significa nada.
Então por que digo eu das cousas: são belas?

Sim, mesmo a mim, que vivo só de viver,
Invisíveis, vêm ter comigo as mentiras dos homens
Perante as cousas,
Perante as cousas que simplesmente existem.

Que difícil ser próprio e não ver senão o visível!"

Alberto Caeiro

Aubergine.

Madu disse...

ah, obrigada:) mas sei que a minha escrita nao é um forte que tenho.
Tu +e que escreves tão bem, a sério, fico pasmada.

Este texto está espectacular mesmo.É de génio.

beijinho e obrigada
Madu

Maria Francisca disse...

Fenomenal. (:

disse...

dizer que está perfeito, é pouco.