18 fevereiro, 2009

és um mero capricho meu. afinal de contas, o que querias que fizesse contigo? que te tomasse como um qualquer pertence meu? que limitasse o teu ser a um ridículo determinante possessivo? a monogamia não é a minha predisposição genética e tu sabe-lo como ninguém.
não suporto este amor formatado, limitado, escasso e, ainda assim, consciente da sua tendência para mais infinito. é contraditória toda esta panóplia de mentiras porque, na verdade, "a amante das tuas noites, não foi feita para os teus dias".

12 comentários:

Marianinha disse...

gostei imenso. já tinha lido os teus textos mas nunca tinha comentado e gosto muito do que escreves.

adorei o final! :)
beijinho *

baby piggy disse...

está de ficar perplexo, sem palavras! :|

Maria Miguel disse...

gostei muito :)
"não suporto este amor formatado, limitado, escasso e, ainda assim, consciente da sua tendência para mais infinito."

esta frase está linda.
beijo *

Afonso disse...

Está perfeito, de ficar sem palavras, como disse a Baby Piggy. :|

V disse...

LINDO

AnaVinhas disse...

provavelmente, irás sentir sempre, "nós" nunca esquecemos nada...

^^, eu gosto especialmente deste; não sei, tem alguma coisa mais por detrás. como uma mensagem, não sei.

e eu digo, ainda bem que já não sinto aquilo, andaria a morrer pelos cantos. enfim (:

Beijinhos. *

marionete disse...

Estou a ficar fã. São sempre tão verdadeiros os textos.

Davi(d) disse...

Adorei.
e eu também adoro os poucos momentos que temos de conversa companheira :)

disse...

muito bonito. cheio de expressividade. : )

ลndreia disse...

Li, pensei... mas não consigo comentar! Muito bom! *

Jo. disse...

Deixou-me sem palavras - o meu preferido.

Madu disse...

está muito bonito:)