16 junho, 2009

é nesta desoladora superficialidade da língua humana que imprimo todo o meu amor por quem foste tu, meu vocativo permanente! de que me vale a mim, uma iletrada, uma analfabeta, pretender fazer do teu pestanejar triste e lânguido um romance igualmente lânguido e triste? ficará igualmente aquém da sinceridade deste sentimento mil poesias bárbaras que possa vir a declamar em teu nome, meu icorrigível espasmo! sinto esta necessidade vil de prosseguir rogando-te um "amo-te" interminável, porque no final de tudo, eu não pretendo um amor perfeito, só eterno.

11 comentários:

Mara disse...

«sinto esta necessidade vil de prosseguir rogando-te um "amo-te" interminável, porque no final de tudo, eu não pretendo um amor perfeito, só eterno.»

tens cada palavra, cada frase.
sem comentários.
fabuloso

Davi(d) disse...

és brilhante companheira !

ps. - ando a tentar mudar a imagem do blog, mas sinceramente não ando muito satisfeito. Se quiseres mudar, MUDA a imagem do blog *
<3

Catarina disse...

um amor perfeito, só eterno.
será que existe?

Raquel Granja disse...

"no final de tudo, eu não pretendo um amor perfeito, só eterno."

Realmente, nao existem amores perfeitos! Por isso eu tambem so quero um eterno. E sim, acredito que ainda posso existir!

Filipa disse...

o amor nunca é eterno, mas enquanto dura e realmente existe é bom! :)
beijinho

baby piggy disse...

amor eterno só as amizades, mas esse amor que procuras talvez seja o puro.

Inês disse...

a ultima frase, fez-me reler o texto 3 vezes, genial é a palavra correcta :) *

Catarina' disse...

Fantastico :)

O ideal seria um amor perfeito e eterno *

Afonso disse...

Li e reli. Disseste tudo aquilo que eu queria dizer em poucas palavras. Perfeito mesmo.

*

Ana Moreira disse...

És linda, és magnifica. Admiro cada poro desse teu corpo, miúda! Já não se fazem pessoas como tu, infelizmente

Ritz B' disse...

És tão profunda, bolas :$