01 novembro, 2010

a tua ausência é a causa desta busca desenfreada por minutos de prazer amargo. são vazios todos os corpos que ao meu lado acordam nas manhãs deste outono caprichoso. entrego-me a quem me deseja, finjo desejar a quem me entrego numa ânsia insane de te encontrar, numa quimera ardente de fazer ressuscitar nos teus sonhos foragidos todo o meu delírio por ti.
a noite está fria e tu tardas a abrir a porta. de dentro do teu quarto ouço os gemidos que me pertencem. pára de fingir, esse orgasmo é meu e quem está por cima de ti não sou eu.

9 comentários:

Paula disse...

estes teus textos são qualquer coisa de inexplicavel!

JL disse...

adoro CB

Rafaela disse...

O que é isto?
Meu Deus, nestes ultimos dias descobri este maravilhoso blogue que é surreal, inexplicável, brilhante e belo. Parabéns! Vou segui-lo com todo o prazer.

Nádia disse...

Texto forte e bastante expressivo. Adorei, adorei.

Davie disse...

admiro-te tanto, como se fosses o meu ídolo. mas a diferença é que posso estar sempre contigo, falar, tocar-te.
estranho, eu sei.

Sc' disse...

ueee, fala quem escreve desta maneira :) adoro adoro adoro!

boldaslove disse...

as tuas palavras são fortes! e magnificas

girlinthemirror disse...

Sublime.

Psycoo de La Cole disse...

simples, directo e estupendo