18 fevereiro, 2012

Uma vírgula,



Um artista não sobrevive. Um artista vive.
Intensa, exaustivamente. Dolorosamente, violentamente. Numa correria de sentimentos e inteligência extremos. Queima-se e não volta a entrar na fogueira, dos sonhos, da mentira, da infelicidade.
Eu vou ser um artista. Pelo menos já estou a viver. 

5 comentários:

Fabio Ruben Lopes Paulos disse...

fantástico, e um bom artista nunca morre, pois continuará para sempre nas suas peças!

David Pimenta disse...

Espero sinceramente conseguir deixar algo para as futuras gerações. É um dos meus desejos!

Fabio Ruben Lopes Paulos disse...

certamente conseguirás, pelo menos o blog poderá ficar cá durante muito tempo se assim o desejares! abraço

ςοφία disse...

Gostei muito.

Tens razão, um artista vive. Tudo o que vive é sentido de uma forma violenta, porque tudo é analisado com uma lógica diferente, a lógica das sensações.

Dás por ti a viver e reviver as coisas, a pensar e repensar nelas e, depois, a falar sobre elas n vezes para verbalizarmos as nossas conclusões, e são conclusões do coração.Às vezes é preciso alguém mais lógico e realista que nos chame a atenção e nos devolva a porção de realidade que perdemos enquanto estavamos a viver no nosso Mundo. (é isto que eu faço, não sei se te vês nisso)

De qualquer maneira tens razão. E eu espero e desejo que possas mudar um bocadinho este Mundo com a tua arte. Aliás eu já sei que mudaste o Mundo, um bocadinho. E foi uma mudança positiva ;)

Beijinhos*

David Pimenta disse...

Minha querida Sofia, nem sabia que eras tu que estavas a comentar os meus textos. Fiquei mesmo surpreso quando vi.
Mas sabes que um artista não faz muitas coisas sozinho se não quiser. Espero mudar o Mundo contigo também, sabes? E espero conseguir. Vai ficar tão mais rico.

Beijinho.